[ad_1]

Em uma reformulação radical da marca, o proprietário do Twitter, Elon Musk, iniciou o processo de substituição do logotipo do pássaro icônico do Twitter por X. Musk fez o anúncio chocante de seus planos no domingo (23).

Na madrugada desta segunda-feira (24), ele twittou que X.com agora aponta para Twitter.com.

“O logotipo do Interim X vai ao ar hoje mais tarde”, escreveu ele, pouco antes de compartilhar uma foto da sede do Twitter iluminada por um novo X gigante.

A conta oficial do gigante da mídia social agora apresenta o mesmo logotipo, mesmo que o familiar pássaro azul ainda possa ser visto no site.

X, novo logo do Twitter / Reprodução

Anteriormente, ele disse que estava dando “adeus à marca twitter e, aos poucos, a todos os pássaros”.

O Twitter, fundado em 2006, usa seu emblema de pássaro azul vívido e reconhecido globalmente há mais de uma década.

A mudança de nome pode ser vista como uma espécie de reformulação da marca: nos últimos meses, Musk alertou repetidamente que o Twitter, enfrentando perdas acentuadas na receita publicitária, estava à beira da falência.

Aumentando a pressão, no início deste mês, a plataforma rival de mídia social Threads foi lançada do pai do Facebook (FB), Meta.

Ele ultrapassou 100 milhões de inscrições de usuários em sua primeira semana.

O Twitter tinha 238 milhões de usuários ativos antes de ser privado por Musk em outubro de 2022.

Brigas e demissões em massa

Um dos homens mais ricos do mundo, Musk já foi mais conhecido por seus esforços inovadores por meio das empresas SpaceX e Tesla para lançar foguetes e construir carros elétricos.

Agora, muitas das manchetes que ele estampa são por seus comentários excêntricos em sua conta pessoal no Twitter – muitas vezes compartilhando teorias da conspiração e entrando em brigas públicas na plataforma de mídia social.

Musk reformulou o site depois de adquiri-lo por US$ 44 bilhões no final de outubro, seguido de demissões em massa, disputas sobre milhões de dólares supostamente devidos em indenizações e a nota de Musk aos funcionários de que permanecer na empresa significaria “trabalhar longas horas em alta intensidade”.

Ele escreveu: “Apenas um desempenho excepcional constituirá uma nota de aprovação”.

A revolta levou organizações a pressionar as marcas a repensar a publicidade no Twitter.

Os grupos apontaram as demissões em massa como um fator-chave em seu pensamento, citando temores de que os cortes de Musk tornariam as políticas de integridade eleitoral do Twitter efetivamente inaplicáveis, mesmo que tecnicamente permanecessem ativas.

Musk também começou a supervisionar mudanças políticas controversas que levaram a frequentes interrupções de serviço no Twitter e prejudicaram sua própria reputação no processo.

Uma segunda chance

Em junho, Musk nomeou Linda Yaccarino, ex-executiva de marketing da NBCUniversal, CEO da empresa.

Ela comentou sobre a mudança de nome no Twitter na tarde de domingo: “É uma coisa excepcionalmente rara – na vida ou nos negócios – que você tenha uma segunda chance de causar outra grande impressão. O Twitter causou uma grande impressão e mudou a forma como nos comunicamos. Agora, X irá mais longe, transformando a praça da cidade global.”

À medida que o novo empreendimento começa, ele enfrenta desafios. Musk revelou recentemente que a plataforma ainda tem um fluxo de caixa negativo devido a uma queda de 50% na receita de publicidade e pesadas dívidas.

Criticando a saída, ou pausa, de anunciantes do Twitter como General Mills, Macy’s e algumas montadoras que competem com a Tesla, Musk se autodenomina um “absolutista da liberdade de expressão” e disse que queria comprar o Twitter para reforçar a capacidade dos usuários de falar livremente na plataforma.

Musk explicou sua abordagem à liberdade de expressão dizendo: “Alguém de quem você não gosta pode dizer algo de que não gosta? E se for esse o caso, então temos liberdade de expressão”.

Ele acrescentou que o Twitter “ficaria muito relutante em excluir coisas” e que a plataforma teria como objetivo permitir todo o discurso legal.

Muitos usuários temem que isso possa significar um aumento no discurso de ódio.

Enquanto isso, o frenesi inicial em torno do rival Threads parece ter voltado à terra, especialmente porque ele foi infestado de spam e carece de vários recursos amigáveis ao usuário que o Twitter, ou, agora X, oferece.

Adam Mosseri, que está supervisionando o lançamento do Threads para Meta, sugeriu planos para adicionar recursos como uma versão para desktop do aplicativo, um feed apenas de contas que um usuário segue e um botão de edição.

Sua capacidade de atrair suporte publicitário ainda não foi comprovada.



[ad_2]

Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *